CognitivaDeficiênciaT21 síndrome de Down

Casal com síndrome de Down comemora 26 anos de casados!

Não importa o que os outros pensem, duas pessoas não precisam provar seu amor uma pela outra.

Loading Likes...

A felicidade conjugal de 26 anos do casal foi comemorada em rede social.

Kris Scharoun-DeForge se casou com o marido, apesar de todas as probabilidades. Eles viveram uma vida maravilhosa e acredita-se que tenham tido um dos casamentos mais longos entre pessoas com Síndrome de Down. Após a morte de Paul, Kris fala sobre seu casamento.

O amor é uma emoção que pode se manifestar de diferentes maneiras. Tal é o poder do amor que pode nem precisar de palavras ou toques. Tudo o que requer é uma magia silenciosa, uma pequena centelha entre duas pessoas, o que pode parecer bizarro para o resto do mundo.

Não importa o que os outros pensem, duas pessoas não precisam provar seu amor uma pela outra.

Kris Scharoun-DeForge e Paul Scharoun-DeForge de Nova York, que se uniram apesar de todos os obstáculos que a sociedade criou para eles são o exemplo disso.

Kris conheceu Paul em uma dança em 1988 e sabia que havia encontrado o homem com quem queria passar o resto de sua vida.

De acordo com o site Today, Kris lembrou-se daquele momento e disse: “Olhei nos olhos de Paul e vi meu futuro”. Depois de namorar por cinco anos, eles decidiram se casar. “Eu pedi para ele. Sussurrei em seu ouvido:” Você quer se casar comigo? “E ele olhou para mim com um sorriso lindo e balançou a cabeça” Sim! “E foi aí que eu sabia. Ele me fez rir: ele era o único para mim “, disse Kris à CBS .

Kris e Paul se casaram em 1993, cinco anos depois de se conhecerem. Eles passaram felizes 26 anos de vida juntos antes de Paul falecer em abril de 2019, aos 56 anos. Kris se abriu sobre o marido e sua história de amor.

Dado o fato de terem Síndrome de Down, as coisas eram muito mais complicadas para os dois. Era a década de 80 e as pessoas não estavam prontas para acreditar que dois indivíduos com Síndrome de Down pudessem se casar ou morar juntos. Eles tiveram que fazer testes sobre conhecimentos sexuais, sentimentos e outros tópicos que provavam que eram elegíveis para se casar.

Susan Scharoun, irmã de Kris, que os ajudou a se casar, lembra as lutas pelas quais passaram para se tornar uma. “Sim, realmente houve um pouco de resistência. Havia um sentimento de que era como crianças se casando contra dois adultos muito capazes. O que eu espero é que outras famílias entrem nisso, você sabe, outras pessoas reconhecerão a importância de esse tipo de amor íntimo”, disse ela ao Daily Mail. “Quando eles estavam chegando à marca de cinco anos de noivado, eles realmente queriam se casar, então começamos a planejar o casamento”, disse Scharoun.

Um dos primeiros casais do mundo com síndrome de Down a se casar.

O casal morava no Escritório Estadual de Pessoas com Deficiências do Desenvolvimento de Nova York. Kris trabalhou na Pizza Hut, Paul trabalhou no Arco de Onondaga, uma organização para pessoas com deficiência.

Eles comemoraram muitos anos juntos, saindo de férias para as montanhas Adirondack no aniversário de casamento, uma tradição que eles seguiam todos os anos.

Depois de ter sido afetado pela doença de Alzheimer no ano passado, Paul foi transferido para uma casa de repouso, mas a dupla se reuniu para o jantar de domingo na casa de Susan.

“Pouco a pouco, você se acostuma a tê-los menos lá. Ele ainda fazia parte da família, mas você poderia dizer que ele realmente não reconhecia as pessoas. Quando ele via Kris, ele apenas olhava para ela, e você sabia que havia esse reconhecimento”, disse Scharoun.

No ano passado, o casal até trocou votos em 13 de agosto de 2018, depois de completarem 25 anos de amor.

Embora Kris esteja sozinha hoje, ela compartilhou muitos anos maravilhosos com o homem que ama. “Pessoas como nós precisam ter uma chance. Uma chance de encontrar o homem dos seus sonhos, como eu fiz”, disse Kris. Eles lutaram para ficar juntos, mas ultrapassaram todos os obstáculos com sua coragem e amor incondicional um pelo outro. “Eles são modelos para todos que querem um bom relacionamento. Eles eram uma equipe: eles se diferiam e se cuidavam”, disse a irmã.

Quando ele passou, Kris, junto com sua família e amigos, espalhou uma parte das cinzas de seu marido em um lago onde ele adorava passar o tempo pescando. O serviço fúnebre realizado foi um evento emocionante com pessoas falando sobre Paul e o amor que compartilharam por anos. Um parente lembrou como Paulo o considerava uma pessoa de sorte. “Para alguém de fora, pode não parecer assim – mas para aqueles de nós que o conhecemos e o amamos, é absolutamente verdade”, disse o elogio.

“Acabei de perder o homem que amo, mas vou tentar”, disse Kris quando perguntada se ela se apaixonaria novamente. Mas ela acredita firmemente que é melhor amar alguém e perdê-lo do que saber que você nunca pode amar, como citado pela CBS.

Tais histórias de amor mantêm viva a esperança nos outros de que eles também podem encontrar o amor eterno, apesar de vários obstáculos. Que o amor verdadeiramente pode conquistar tudo.

Referências

https://www.dailymail.co.uk/news/article-7367031/Widow-syndrome-speaks-love-husband-condition.html
https://www.cbsnews.com/news/widow-with-down-syndrome -shows-power-of-love-after-husband-death-2019-08-16 /
https://www.today.com/health/couple-down-syndrome-celebrates-25-years-marriage-t136117
https: //daily.lessonslearnedinlife.com/couple-down-syndrome-marriage-25-years
https://daily.lessonslearnedinlife.com/couple-downs-syndrome-25-years-married-bond-true-love

 

Tags

Ana Sodré

Sentir-se bem em fazer o bem… Sou antes de tudo um ser humano que ama a vida e estou sempre em busca de um mundo melhor. Atuei nos últimos 30 anos como empresária e editora, destacando três grandes publicações, a Revista Médico Repórter e o Jornal Hipócrates, atingindo a classe médica. E, por 2 anos a Revista Aimè, voltada para o público gay masculino, com venda em banca no âmbito nacional, sendo também distribuída na Argentina e em Portugal. A repercussão foi muito positiva, do qual recebi um prêmio Mulher Excelência 2009 - CIESP. Ao receber o convite para ser parte do Instituto - “Eu Causo”, foi como um raio de sol iluminando o meu horizonte… Envolvida na saúde, ao longo destes anos me deparei com diversas situações, oras boas, outras nem tanto, porém algo sempre me chamou a atenção, a fragilidade do Ser Humano. Pude perceber de perto, o quanto estamos vulneráveis mediante uma doença, quer seja em causa própria, ou de alguém da família, um amigo... Com base nessa premissa, agarro este projeto com o mesmo propósito: contribuir, através da informação, para um melhor estar! Estarei comprometida a identificar os avanços da medicina em prol da saúde, em responder as demandas da população; e vendo como as pessoas se conectam mais, me engajarei para que cada um de vocês utilize este portal, na certeza que irão encontrar um espaço acolhedor e aglutinador, para que juntos, possamos alcançar um estado de felicidade. Eu escolhi cuidar! … Eu causo!… E você?

Artigos relacionados