DiabetesSaúde

Cirurgia plástica e diabetes

Nenhuma contra-indicação

Loading Likes...

Pense, avalie e decida com sensatez

Com um quadro metabólico bem compensado, a pessoa que tem diabetes corre os mesmos riscos cirúrgicos de um paciente com glicemia normal. Portanto, na hora de decidir por um procedimento estético ou uma reparação, pense, avalie e veja o que pode fazer você mais feliz.

 Nos últimos anos, a aparência tornou-se elemento extremamente valorizado pela sociedade. Paralelamente, o desenvolvimento científico possibilitou a criação de técnicas mais precisas para correções ou alterações do corpo, tornando a cirurgia plástica uma alternativa cada vez mais procurada por homens e mulheres que desejam reparar danos, corrigir defeitos ou simplesmente transformar as formas para se sentirem mais satisfeitos com seu próprio corpo.

De acordo com a Dra. Beatriz Brito, cirurgiã plástica, membro da Sociedade Brasileira e da Sociedade Holandesa de Cirurgia Plástica, os procedimentos estéticos são os mais procurados. “Segundo o levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), 60% das cirurgias realizadas hoje no Brasil são estéticas e 40% são reparadoras. Dentro deste perfil, as cirurgias de mama ainda são as mais procuradas. Em segundo lugar vem a lipoaspiração.”

As mulheres ainda são as campeãs na procura pelos procedimentos cirúrgicos. “Os dados da SBCP mostram que 70% dos pacientes são mulheres e 30%, homens. E o pico de procura pela cirurgia plástica ocorre em dois períodos da vida da mulher: quando estão para entrar na terceira década e já têm condições financeiras para pagar a plástica, corrigindo partes do corpo de que nunca gostaram, como orelha, nariz e mama, e por volta dos 40 anos, quando já tiveram filhos e desejam reparar marcas da gravidez e da idade, olhando novamente para o próprio corpo”, comenta a Dra. Beatriz.

Segundo ela, entre os homens a correção das pálpebras é o procedimento mais realizado. “Eles ainda têm vergonha de dizer que foram submetidos à cirurgia plástica. Hoje temos recursos que não existiam há alguns anos e conseguimos fazer intervenções que ficam mais naturais. O interesse dos homens está crescendo”, afirma.

No entanto, é importante lembrar que fazer uma cirurgia plástica envolve uma série de questões e nem sempre o resultado é o esperado. “Para se submeter a uma plástica, o paciente deve primeiro avaliar a relação custo-benefício desta decisão. Além do lado financeiro, existem custos médicos: riscos, pós-operatório doloroso, afastamento do trabalho e das atividades rotineiras, eventuais complicações e a cicatriz. Temos que esclarecer que em cirurgia plástica não tem mágica”, afirma a cirurgiã.

A especialista comenta que não é raro desaconselhar a realização de um procedimento, pois muitas pessoas chegam ao consultório com grandes ilusões em torno da plástica. “Plástica não é moda, é cirurgia. Acontece muito de as pessoas virem ao consultório citando atrizes. A boca da Angelina Jolie é a mais pedida. Desviar a causa de um problema pessoal para uma insatisfação no corpo é outra situação em que não aconselho a plástica. Uma mulher que quer fazer uma modificação no corpo achando que vai resolver problemas conjugais, por exemplo, pode ficar ainda mais frustrada, porque se não conseguir melhorar a relação com a cirurgia, ainda vai ter uma cicatriz.”

Boas condições

Como em qualquer caso de cirurgia, para fazer a plástica o paciente precisa apresentar boas condições clínicas e, ao contrário do que se pensa, o diabetes não é uma contra-indicação. “Uma pessoa com o diabetes bem controlado apresenta os mesmos riscos de qualquer outro paciente. A questão é o controle. Como a plástica é uma cirurgia eletiva, podemos fazer uma programação, preparando o paciente para a situação”, informa a Dra. Denise Reis, endocrinologista e diretora científica da Associação de Diabetes Juvenil (ADJ).

A médica explica que, neste caso, o endocrinologista orienta seu paciente a fazer um controle mais rigoroso da glicemia, realizando pontas de dedo com maior frequência. “Temos que verificar se há ou não alguma complicação no quadro dessa pessoa e se a cicatrização está boa, porque esse tipo de cirurgia eletiva depende de cicatrização adequada. Tenho vários pacientes que já passaram por correção de orelha, lipoaspiração e pálpebra. Se o médico conhece bem seu paciente, faz todos os exames e o monitora. Mantendo a hemoglobina glicada abaixo de 7%, não há problema algum.”

Segundo a Dra. Beatriz, quando a cirurgia será feita em uma pessoa com diabetes, o exame clínico e laboratorial pré-operatório tem que ser muito bem feito. “Um paciente com diabetes compensado há mais de seis meses e acompanhamento endocrinológico é igual a qualquer paciente com glicemia normal. Mas, como o paciente tem que vir para a cirurgia em jejum, no caso daqueles que tomam hipoglicemiantes orais, suspendemos a medicação um dia antes do procedimento e no dia fazemos a insulina simples, baseada na glicemia. Ou seja, durante a operação fazemos ponta de dedo algumas vezes e vamos administrando insulina simples, sempre monitorando. O paciente bem compensado volta a tomar sua medicação assim que a dieta for retomada.”

A cirurgiã relata que, normalmente, quando as pessoas com diabetes procuram o consultório do plástico, já são acompanhadas por um endocrinologista. “Sempre peço a avaliação deste profissional, que acompanha o paciente de forma sequencial.”

Pensando na plástica?

Se você está pensando em realizar uma cirurgia plástica, precisa avaliar bem os riscos que vai correr. Lembre-se de que a moda passa, mas as cicatrizes ficam. Por isso avalie alguns itens antes de tomar uma decisão:

–          Esta cirurgia plástica é importante para você?

–          O que o procedimento vai mudar em sua vida?

–          Vale a pena se expor ao risco cirúrgico?

–          Você terá uma cicatriz, mesmo assim quer operar?

–          Lembre-se que, às vezes, uma dieta adequada e um programa de exercícios físicos podem dar o resultado esperado, portanto, procure priorizá-los

–          Não crie falsas expectativas.

Se, depois de refletir, sua decisão for sim, tome alguns cuidados:

–          Procure um cirurgião por indicação e não por propaganda.

–          Procure saber se o profissional pertence à Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

–          Desconfie de promessas milagrosas. Lembre-se que cirurgia não é mágica.

–   Se você tem diabetes, peça orientação do seu endocrinologista. Cirurgias eletivas pedem programação e segurança.

Plástica na adolescência

As questões relacionadas ao corpo são mais delicadas na adolescência. Segundo Rosana Manchon, psicóloga especializada em adolescentes e com mais de 20 anos de experiência em diabetes, nesta fase são as mudanças corporais que impõem uma nova identidade, por isso a preocupação com a aparência é tão significativa.

“A preocupação com a imagem acaba sendo o tema central da adolescência. Com isso, o jovem cria fantasias em relação à cirurgia plástica, depositando a esperança da resolução de seus conflitos internos em um procedimento. Existe a modificação positiva da auto-estima, mas não na proporção que o adolescente imagina. O problema pode ser amenizado. A plástica vai ajudar, mas apenas nas questões relacionadas ao corpo”, argumenta Rosana.

Na opinião da Dra. Beatriz, existem casos que, embora sejam considerados estéticos, interferem diretamente na adolescência. “A menina que tem seios muito grandes chega ao consultório com uma camiseta enorme, com o cabelo bem comprido escondendo a mama e já tendo ganhado apelido na escola. No primeiro pós-operatório, mesmo cheia de faixas e pontos, essa paciente já vem de camiseta justinha. Há uma mudança quase imediata. O mesmo acontece com quem não tem mama, ou com quem tem um nariz muito grande”, exemplifica.

Entretanto, a cirurgiã enfatiza que o adolescente só pode ser operado com autorização do responsável. “Além disso, deve haver um consenso entre médico e paciente sobre o que é melhor. No caso da redução da mama fica uma cicatriz que pode não ser de boa qualidade. As explicações têm de ser bem realistas, às vezes até mostro fotos de pós operatório e pergunto se ela quer mesmo assim.”

De acordo com Rosana, quando pensa em cirurgia plástica o adolescente deve ponderar e verificar se há indicação médica para o seu caso. Muitas vezes, buscar a transformação do corpo através de reeducação alimentar e exercícios é mais vantajoso e pode ajudar na resolução dos conflitos internos.

No entanto, tomando todos os cuidados e tendo orientação médica, a cirurgia plástica pode ser mesmo um benefício. Pese os prós e os contras e decida o que pode melhorar seu humor e sua auto-estima. Invista, resolva o que o incomoda e continue de bem com a vida!

Ana Sodré

Sentir-se bem em fazer o bem… Sou antes de tudo um ser humano que ama a vida e estou sempre em busca de um mundo melhor. Atuei nos últimos 30 anos como empresária e editora, destacando três grandes publicações, a Revista Médico Repórter e o Jornal Hipócrates, atingindo a classe médica. E, por 2 anos a Revista Aimè, voltada para o público gay masculino, com venda em banca no âmbito nacional, sendo também distribuída na Argentina e em Portugal. A repercussão foi muito positiva, do qual recebi um prêmio Mulher Excelência 2009 - CIESP. Ao receber o convite para ser parte do Instituto - “Eu Causo”, foi como um raio de sol iluminando o meu horizonte… Envolvida na saúde, ao longo destes anos me deparei com diversas situações, oras boas, outras nem tanto, porém algo sempre me chamou a atenção, a fragilidade do Ser Humano. Pude perceber de perto, o quanto estamos vulneráveis mediante uma doença, quer seja em causa própria, ou de alguém da família, um amigo... Com base nessa premissa, agarro este projeto com o mesmo propósito: contribuir, através da informação, para um melhor estar! Estarei comprometida a identificar os avanços da medicina em prol da saúde, em responder as demandas da população; e vendo como as pessoas se conectam mais, me engajarei para que cada um de vocês utilize este portal, na certeza que irão encontrar um espaço acolhedor e aglutinador, para que juntos, possamos alcançar um estado de felicidade. Eu escolhi cuidar! … Eu causo!… E você?

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.