Bem EstarColunistaSaúde

Longevidade, Integralidade e Convivência

Forças que geram saúde e se opõem às influências que causam a doença

Loading Likes...

Salutogênese

Na contramão da redução da velhice como fase de perdas e incapacidades, da identidade estigmatizada de velho, destaca-se o trabalho do Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – Associação São Joaquim de Apoio a Maturidade.

Fundada em 2006, a Associação São Joaquim é uma organização sem fins lucrativos, fundamentada na imagem antroposófica do Ser humano e inspirada na salutogênese.

Salutogênese é o conceito, criado pelo pesquisador Aaron Antonovsky em 1979, e contemplado pelas abordagens integrativas, para designar as forças que geram saúde e se opõem às influências que causam a doença. Segundo o autor, quando as forças que se opõem ao estímulo causador de doença são potencializadas, torna-se possível prevenir o adoecimento. Portanto, Antonovsky propunha formas de estimular e preservar tais forças através do “senso de coerência”, um estado de harmonia e bem-estar com o meio social, familiar e consigo mesmo. Uma sensação de orientação global, sentimento dinâmico de autoconfiança, gerado no meio interno e externo, que forma um ambiente saudável, de alta probabilidade de êxito na vida.

Reforçando os valores fundamentais do ser humano, como as relações familiares, a espiritualidade, hábitos de vida saudáveis, acesso à informação, entre outros, está criado o ambiente ideal para a salutogênese. Esse ideal irá permear as ações, reflexões e propostas desenvolvidas na Associação São Joaquim.

Socialização

Através de sua metodologia, a Associação visa o desenvolvimento integral do Homem (cabeça (pensar), coração (sentir)  e mãos (agir)) por meio da convivência criativa e do fortalecimento dos vínculos.

O objetivo do trabalho é oportunizar a socialização, o fortalecimento de vínculos, a inclusão, a manutenção da autonomia, a valorização e a garantia de direitos das pessoas idosas.

O percurso escolhido foi o de expandir a dimensão do indivíduo fechado em si mesmo para uma nova rede de relações criando sentido de pertencimento e inclusão. Fortalecer-se em um novo lugar como força integradora e de sustentação de valores na família e na comunidade, contribuir pelo protagonismo e pelo empoderamento da pessoa idosa para lidar com os desafios da vida de forma digna, coerente, íntegra. Pessoas longevas compartilham seus saberes, exercem sua cidadania e atuam como força integradora no meio em que vivem.

São oferecidas atividades físicas, manuais, artísticas, cognitivas, de socialização e de autoconhecimento para 320 pessoas idosas, residentes em Carapicuíba – região grande oeste de São Paulo.

Reconhecendo a singularidade e a subjetividade do humano, o acolhimento do usuário acontece de forma individualizada e, no diálogo entre a demanda da pessoa idosa e o reconhecimento de sua área de maior vulnerabilidade, são recomendadas atividades que possam contribuir para seu melhor desenvolvimento pessoal.

Resgate do passado e projeções de futuro

Resultados positivos na saúde e no bem-estar são identificados. O trabalho social é de grande relevância para a melhoria da qualidade de vida das pessoas idosas no município. Participações nas políticas públicas, nos conselhos representativos e nas ações em rede, são extensões e ampliações do trabalho inicialmente desenvolvido, além do apoio à causa e às ações voltadas para a população 60+.

Trata-se de um modelo de convivência que respeita o contexto histórico e cultural, a biografia de cada usuário. Desejos, vontades e sonhos, experiências de vida e saberes compartilhados, contribuíram para a cocriação das ações e caminhos percorridos, resgate do passado e projeções de futuro!

Que o trabalho da Associação São Joaquim possa servir de inspiração para novas iniciativas para esse mundo que envelhece e que precisa incluir as pessoas longevas nos circuitos vivos da sociedade.  

Como minha intencionalidade faz com que eu me vincule emocionalmente a uma decisão e ação no mundo? Consigo encontrar sentido naquilo que eu faço? São perguntas que nos convidam a pensar em nós mesmos como seres integrais, nas relações, nos tempos e nos espaços onde encontros acontecem, onde gerações coexistem, onde a longevidade se manifesta de forma plural.

Fonte: www.saojoaquim.org.br; simonespadafora@saojoaquim.org.br

Fotos: Naná Bastos

 

 

 

Simone Spadafora

Biomédica especialista em análises clínicas e acupuntura, mestre em Gerontologia pela PUC/SP. Atualmente Diretora vice-presidente e coordenadora técnica na Associação São Joaquim de apoio à maturidade e Terapeuta Integrativa no Instituto Adhara. Professora de pós graduação em Acupuntura pela Casa da Terra Cursos e Educação Continuada.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja Também

Fechar