DiabetesSaúde

Diabetes

Prevenção e longevidade na mesa

Loading Likes...

Dieta do Mediterrâneo

Além das paisagens magníficas e da gastronomia irresistível, os países banhados pelo Mar Mediterrâneo guardam segredos fundamentais para uma boa saúde. Itália, Grécia, Albânia, Espanha, França e Iugoslávia, na Europa; Síria, Líbano, Israel e Turquia, na Ásia; e Argélia, Marrocos, Egito, Líbia e Tunísia, na África, apresentam muitos contrastes sociais, econômicos e políticos. Mas quando o assunto é hábito alimentar, esses países revelam características importantes que favorecem a saúde, proporcionam melhor qualidade de vida, maior longevidade e menor incidência de doenças crônicas. Esse padrão alimentar é conhecido atualmente como Dieta do Mediterrâneo.

Na década de 50, ao desembarcar em Salermo, no sul da Itália, o médico norte-americano Ancel Keys constatou que algumas doenças, que eram comuns em seu país, eram pouco frequentes naquele local. Percebeu também que as pessoas que viviam em Creta, outras partes da Grécia e no sul da Itália, apesar de consumir grande quantidade de gordura, apresentavam baixa incidência de doenças cardiovasculares e de alguns tipos de câncer, além de expectativa de vida elevada.

Após investigação inicial, Keys iniciou o “estudo dos sete países”, revelando as vantagens da Dieta Mediterrânea na saúde humana, associando dieta e doença cardíaca. Esse estudo proporcionou uma evidência epidemiológica dos efeitos das gorduras e de diversos ácidos graxos sobre os níveis de colesterol do sangue.

De acordo com a Dra. Anelena Soccal Seyffarth, nutricionista especialista em nutrição humana e membro do Departamento de Nutrição da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), essa dieta é caracterizada pelo consumo em proporções específicas de frutas, hortaliças (verduras e legumes), cereais, leguminosas (grão-de-bico, lentilha), oleaginosos (amêndoas, azeitonas, nozes), peixes, leite e derivados (iogurte, queijos), vinho e o uso diário do azeite de oliva na preparação dos alimentos. “Os estudos mostram que o uso conjunto desses alimentos pode estar relacionado a muitos benefícios para a saúde, especialmente na prevenção de algumas doenças. Porém, consumir isoladamente o azeite de oliva ou outro alimento por si só não reproduz estes benefícios, o maior impacto da dieta está relacionado à variedade e frequência dos alimentos que a compõe”, explica a nutricionista.

Benefícios do azeite

O azeite de oliva faz parte dos alimentos indicados na prevenção das doenças coronárias e de alguns tipos de câncer, e a Dra. Anelena atribui o fato aos altos níveis de gorduras monoinsaturadas (“gorduras boas”) associadas a um melhor controle do colesterol e também de compostos polifenólicos que existem no azeite cru. As frutas, as verduras, as leguminosas e os cereais integrais são ricos em componentes que previnem doenças e aumentam a longevidade, além de terem menor índice glicêmico, pois são ricos em fibras. “Isso é muito importante para o controle e prevenção do Diabetes, da síndrome metabólica, da hipertensão e outros. Esses alimentos possuem maior capacidade antioxidante, o que é mais um fator de proteção contra estas e outras doenças”, orienta.

Diabetes

Para quem tem Diabetes, uma das orientações mais importantes é consumir frutas e verduras com as cascas, com os bagaços e cruas. Lembrando sempre de associar outros hábitos saudáveis de vida como: atividade física, controlar o estresse e não fumar.

Vale lembrar que a principal diferença da Dieta do Mediterrâneo em relação a outras regiões do mundo é o baixo consumo de carnes vermelhas, gorduras de origem animal, produtos industrializados e doces (ricos em gordura e açúcar refinado).

*Uma pesquisa recente da Universidade de Harvard revelou que o consumo dos componentes presentes na Dieta do Mediterrâneo, unido a prática de atividades físicas e ausência do tabagismo poderiam evitar mais de 80% das doenças coronarianas, dos acidentes vasculares cerebrais e de infartos, além de 90% dos casos de Diabetes Tipo 2.

* Fonte: The Mediterranean diet: science and practice.
Public Health Nutr. 2006 Feb;9(1A):105-10. Review.

Ana Sodré

Sentir-se bem em fazer o bem… Sou antes de tudo um ser humano que ama a vida e estou sempre em busca de um mundo melhor. Atuei nos últimos 30 anos como empresária e editora, destacando três grandes publicações, a Revista Médico Repórter e o Jornal Hipócrates, atingindo a classe médica. E, por 2 anos a Revista Aimè, voltada para o público gay masculino, com venda em banca no âmbito nacional, sendo também distribuída na Argentina e em Portugal. A repercussão foi muito positiva, do qual recebi um prêmio Mulher Excelência 2009 - CIESP. Ao receber o convite para ser parte do Instituto - “Eu Causo”, foi como um raio de sol iluminando o meu horizonte… Envolvida na saúde, ao longo destes anos me deparei com diversas situações, oras boas, outras nem tanto, porém algo sempre me chamou a atenção, a fragilidade do Ser Humano. Pude perceber de perto, o quanto estamos vulneráveis mediante uma doença, quer seja em causa própria, ou de alguém da família, um amigo... Com base nessa premissa, agarro este projeto com o mesmo propósito: contribuir, através da informação, para um melhor estar! Estarei comprometida a identificar os avanços da medicina em prol da saúde, em responder as demandas da população; e vendo como as pessoas se conectam mais, me engajarei para que cada um de vocês utilize este portal, na certeza que irão encontrar um espaço acolhedor e aglutinador, para que juntos, possamos alcançar um estado de felicidade. Eu escolhi cuidar! … Eu causo!… E você?

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.